26 abril 2012

Schwarzenegger na Rio+20: o preservador do futuro

Ator-governador que preside a R20, coalizão para auxiliar governos locais a adotar medidas em favor do clima, confirma presença na conferência

Ex-Mister Universo, ator consagrado, ex-governador da Califórnia. Assim vem sendo apresentado em conferências mundiais endossadas pela ONU o mais novo defensor das energias renováveis, um carismático Arnold Schwarzenegger. Mostrando-se disposto a contribuir para a transição rumo à economia verde, o homem que deu vida a "Conan, o Bárbaro" e ao "Exterminador do Futuro" não hesita em lembrar a própria trajetória para defender que a superação deve ser a estrela-guia para a transformação do mundo. “Lá atrás, na Áustria, quando quis desenvolver a musculatura e disse que um dia seria Mister Universo, me disseram ‘que nada, você não vai conseguir’. E consegui. Depois, resolvi ser ator e só me desencorajaram. Tornei-me uma celebridade mundial. Então, um dia afirmei que iria ser governador da Califórnia e me tacharam de louco. Subi ao poder em 2003. Por isso digo agora: energia é liberdade! E nós seremos livres”, sentencia.

O discurso foi ouvido durante recente conferência em Genebra, em março, sobre mudança climática. Em breve, frases parecidas, vindas de um Arnold mais preocupado em preservar do que em exterminar, poderão ser ouvidas no Brasil. Até o momento, Schwarzenegger é uma das presenças confirmadas nos altos círculos da Rio+20 em junho. Por sua popularidade, mas também cada vez mais por seu papel efetivo em defesa do meio ambiente, ele é uma das estrelas aguardadas em um dos eventos paralelos oficiais da ONU, a Cúpula Mundial de Governos Regionais (World Summit of Regions). Trata-se de uma reunião de alto nível que concentrará 80 governadores de estados, províncias e regiões do mundo durante os dias 17, 18 e 19 de junho. No primeiro dia de debates, o destaque será a conferência promovida pela coalizão R20 – Regions of Climate Action.

É nesse palco que Schwarzenegger quer brilhar. Ele fundou a R20 em novembro de 2010 e hoje preside a organização com o apoio de um conselho de governadores oriundos de regiões de diversos países e o apoio e reconhecimento da ONU. A missão: ajudar estados, províncias, regiões específicas e outros governos subnacionais em todo o mundo a desenvolver, implementar e comunicar projetos de desenvolvimento econômico de baixo carbono e de resiliência às mudanças climáticas, além de políticas públicas e boas práticas nesse campo.

“Action” é a base de tudo na R20. O site institucional nos informa sobre “programas em ação”, “regiões em ação” e mesmo “financiamento em ação”. Sobra pragmatismo: a R20 difunde seu auxílio a governos regionais, de modo que obtenham informações importantes para o financiamento de projetos de eficiência energética, oferece apoio na articulação com fundos de fomentos internacionais para projetos na área climática e opera relacionamento estratégico com investidores. Dá o peixe, mas também ensina a pescar: já disponibiliza “tecnologia em ação” na forma de manuais de instrução para projetos que instalam os chamados telhados frios (cool roofs) nas cidades e iluminação pública mais eficiente a partir do uso de lâmpadas LED.
 
A coalizão liderada por Schwarzenegger, em seus poucos meses de atuação, já reúne 24 membros, 43 parceiros e dois observadores na África, Ásia-Pacífico, Europa, América do Norte e do Sul. O Brasil figura entre os parceiros, representado até o momento apenas pelo estado do Acre. Mas o país parece ser estratégico para Arnie, e na lista do staff da R20 aparece um diretor-executivo para o Brasil, Jorge Machado. Ao todo, as atividades da R20 conectam hoje mais de 560 governos subnacionais e locais ao redor do globo.
 
Fonte: Veja Online

Categories: , ,

0 comentários:

Postar um comentário